Nossa Senhora de Fátima - assista ao video

Aparições de Nossa Senhora de Fátima

A primeira aparição de Nossa Senhora de Fátima ocorreu no dia 13 de maio de 1917, na Cova da Iria, para três crianças: Lúcia de Jesus, de 10 anos; e seus primos Francisco e Jacinta Marto; de nove e sete anos, respectivamente.

Por volta do meio dia, depois de rezarem o terço, como habitualmente faziam, viram uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir embora, mas, logo abaixo, outro clarão iluminou o espaço e viram em cima de uma pequena azinheira uma “Senhora mais brilhante que o sol”, de cujas mãos pendia um terço branco.

A Senhora disse aos três pastorinhos que era necessário rezar muito e convidou-os a voltarem à Cova da Iria durante mais cinco meses consecutivos, no dia 13 e àquela hora. As crianças assim fizeram e nos dias 13 de junho, julho, setembro e outubro, a Senhora voltou a aparecer-lhes e a falar-lhes.

Desde 1917, não mais cessaram de ir à Cova da Iria milhares e milhares de peregrinos de todo o mundo, primeiro nos dias 13 de cada mês, depois nas férias de verão e inverno, e agora, cada vez mais, nos fins de semana e no dia-a-dia, totalizando um montante anual de cinco milhões de fiéis.

Para visualização do video, primeiro clique no botão play, deixe carregar. Após carregado clique novamente em replay e assista ao video por completo sem interrupções.

A 13 de Maio de 1917, três crianças apascentavam um pequeno rebanho na Cova da Iria, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, hoje diocese de Leiria-Fátima. Chamavam-se Lúcia de Jesus, de 10 anos, e Francisco e Jacinta Marto, seus primos, de 9 e 7 anos.

Por volta do meio dia, depois de rezarem o terço, como habitualmente faziam, entretinham-se a construir uma pequena casa de pedras soltas, no local onde hoje se encontra a Basílica. De repente, viram uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir-se embora, mas, logo abaixo, outro clarão iluminou o espaço, e viram em cima de uma pequena azinheira (onde agora se encontra a Capelinha das Aparições), uma “Senhora mais brilhante que o sol”, de cujas mãos pendia um terço branco.

A Senhora disse aos três pastorinhos que era necessário rezar muito e convidou-os a voltarem à Cova da Iria durante mais cinco meses consecutivos, no dia 13 e àquela hora. As crianças assim fizeram, e nos dias 13 de Junho, Julho, Setembro e Outubro, a Senhora voltou a aparecer-lhes e a falar-lhes, na Cova da Iria.

A 19 de Agosto, a aparição deu-se no sítio dos Valinhos, a uns 500 metros do lugar de Aljustrel, porque, no dia 13, as crianças tinham sido levadas pelo Administrador do Concelho, para Vila Nova de Ourém.

Na última aparição, a 13 de Outubro, estando presentes cerca de 70.000 pessoas, a Senhora disse-lhes que era a “Senhora do Rosário” e que fizessem ali uma capela em Sua honra.

Depois da aparição, todos os presentes observaram o milagre prometido às três crianças em Julho e Setembro: o sol, assemelhando-se a um disco de prata, podia fitar-se sem dificuldade e girava sobre si mesmo como uma roda de fogo, parecendo precipitar-se na terra.

Posteriormente, sendo Lúcia religiosa de Santa Doroteia, Nossa Senhora apareceu-lhe novamente em Espanha (10 de Dezembro de 1925 e 15 de Fevereiro de 1926, no Convento de Pontevedra, e na noite de 13/14 de Junho de 1929, no Convento de Tuy), pedindo a devoção dos cinco primeiros sábados (rezar o terço, meditar nos mistérios do Rosário, confessar-se e receber a Sagrada Comunhão, em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria) e a Consagração da Rússia ao mesmo Imaculado Coração.

Este pedido já Nossa Senhora o anunciara em 13 de Julho de 1917, na parte já revelada do chamado “Segredo de Fátima”. Anos mais tarde, a Ir. Lúcia conta ainda que, entre Abril e Outubro de 1916, tinha aparecido um Anjo aos três videntes, por três vezes, duas na Loca do Cabeço e outra junto ao poço do quintal da casa de Lúcia, convidando-os à oração e penitência.

Desde 1917, não mais cessaram de ir à Cova da Iria milhares e milhares de peregrinos de todo o mundo, primeiro nos dias 13 de cada mês, depois nos meses de férias de Verão e Inverno, e agora cada vez mais nos fins de semana e no dia-a num montante anual de cinco milhões.



1916 - Primavera, Verão e Outono - Aparições do Anjo. 1917 - Nos dias 13 dos meses de Maio, Junho, Julho, Setembro e Outubro - Aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria; em 19 de Agosto, nos Valinhos. 04-04-1919 - Morre o vidente Francisco Marto, em Aljustrel. 28-04-1919 - Início da construção da Capelinha das Aparições. 20-02-1920 - Morre a vidente Jacinta Marto, no Hospital de Dª Estefânia, em Lisboa. 13-10-1921 - É Permitida a celebração da Missa, pela primeira vez, junto à Capelinha das Aparições. 06-03-1922 - A Capelinha das Aparições é destruída, sendo restaurada um ano depois. 03-05-1922 - Provisão do Bispo de Leiria, mandando instaurar o processo canónico sobre os acontecimentos de Fátima. 13-10-1922 - Inicia-se a publicação da “Voz de Fátima”.

26-06-1927 - O Bispo de Leiria preside, pela primeira vez, a uma cerimónia oficial na Cova da Iria, depois da bênção das estações da Via-Sacra, desde o Reguengo do Fetal (11 Kms). 13-05-1928 - Lançamento da primeira pedra da Basílica. 13-10-1930 - Pela Carta Pastoral “A Divina Providência”, o Bispo de Leiria declara “dignas de crédito as visões das crianças na Cova da Iria” e permite oficialmente o culto de Nossa Senhora de Fátima.

13-05-1931 - Primeira Consagração de Portugal ao Imaculado Coração de Maria, feita pelo Episcopado Português, no seguimento da Mensagem de Fátima. 12-09-1935 - Trasladação dos restos mortais de Jacinta Marto, do cemitério de Vila Nova de Ourém para o de Fátima. 13-05-1942 - Grande peregrinação para assinalar o 25º aniversário das Aparições. 31-10-1942 - Pio XII, falando em português pela rádio, consagra o Mundo ao Imaculado Coração de Maria, com menção velada da Rússia, segundo o pedido de Nossa Senhora. 13-05-1946 - Coroação da Imagem de Nossa Senhora de Fátima, da Capelinha das Aparições (coroa oferecida pelas mulheres portuguesas), pelo Cardeal Masella, Legado Pontifício. 01-05-1951 - Trasladação dos restos mortais de Jacinta Marto, do cemitério de Fátima para a Basílica do Santuário.

13-10-1951 - Encerramento do Ano Santo (Universal), em Fátima, pelo Cardeal Tedeschini, Legado Pontifício. 13-03-1952 - Trasladação dos restos mortais de Francisco Marto, do cemitério de Fátima para a Basílica do Santuário. 07-07-1952 - Consagração dos Povos da Rússi ao Imaculado Coração de Maria, pelo Papa Pio XII. 07-10-1953 - Sagração da Igreja do Santuário de Fátima. 12-11-1954 - O Papa Pio XII concede o título de Basílica menor à Igreja do Santuário. 13-05-1956 - O Cardeal Roncalli, Patriarca de Veneza, futuro Papa João XXIII, preside à peregrinação internacional aniversária. 01-01-1960 - Início do Sagrado Lausperene no Santuário de Fátima.

21-11-1964 - Ao encerrar a 3ª sessão do Concilio Ecuménico Vaticano II, o Papa Paulo VI anuncia diante dos 2.500 padres conciliares, a concessão da Rosa de Ouro ao Santuário de Fátima. 13-05-1965 - Entrega da Rosa de Ouro pelo Cardeal Fernando Cento, legado Pontifício, durante a Peregrinação Internacional Aniversária. 13-05-1967 - O Papa Paulo VI desloca-se a Fátima, no cinquentenário da 1ª Aparição de Nossa Senhora, para pedir a paz no mundo e a unidade da Igreja.

13-05-1977 - A Peregrinação do 60º aniversário da 1ª Aparição foi presidida pelo Cardeal Humberto Medeiros, Arcebispo de Boston, legado Pontifício. 10-07-1977 - Peregrinação a Fátima do Cardeal Albino Luciani, Patriarca de Veneza, depois Papa João Paulo I. 19-09-1977 - Elevação de Fátima à categoria de Vila. 12/13-05-1982 - O Papa João Paulo II vem em peregrinação a Fátima agradecer o ter escapado com vida, um ano antes, na Praça de S. Pedro, e, de joelhos, consagra a Igreja, os Homens e os Povos, com menção velada da Rússia, ao Imaculado Coração de Maria. 25-03-1984 - Na Praça de S. Pedro, no Vaticano, diante da Imagem de Nossa Senhora de Fátima ida expressamente da Capelinha das Aparições, João Paulo II faz, uma vez mais, a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria, em união com todos os Bispos do Mundo.

12/13-05-1991 - O Santo Padre João Paulo II vem pela segunda vez a Fátima, como peregrino, no 10º aniversário do seu atentado na Praça de S. Pedro, no Vaticano, presidindo à Peregrinação Internacional Aniversária. 04-06-1997 - A Assembleia da República Portuguesa eleva a Vila de Fátima à categoria de cidade. 13-05-2000 - Beatificação de Francisco e Jacinta Marto, por ocasião da 3ª visita de João Paulo II a Fátima.

13-02-2005 - Falecimento da Ir. Lúcia. 02-04-2005 - Falecimento de João Paulo II.

19-02-2006 - Trasladação do corpo da Irmã Lúcia do Convento de Santa Teresa, em Coimbra, para a Basílica do Santuário de Fátima.


Terei para isso que falar algo do segredo e responder ao primeiro ponto de interrogação. O que é o segredo? 

Parece-me que o posso dizer, pois que do Céu tenho já a licença. Os representantes de Deus na terra têm-me autorizado a isso várias vezes, e em várias cartas, uma das quais, julgo que conserva V. Ex.cia Rev.ma do Senhor Padre José Bernardo Gonçalves, na em que me manda escrever ao Santo Padre. Um dos pontos que me indica é a revelação do segredo.

Algo disse, mas para não alongar mais esse escrito que devia ser breve,  limitei-me ao indispensável, deixando a Deus a oportunidade d’um momento mais favorável. Expus já no segundo escrito a dúvida que de 13 de Junho a 13 de Julho me atormentou e que n’essa aparição tudo se desvaneceu. Bem o segredo consta de três coisas distintas, duas das quais vou revelar.  A primeira foi, pois a vista do inferno!

Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fogo que parecia estar debaixo da terra. Mergulhados em esse fogo os demônios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, ou bronzeadas com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas que d’elas mesmas saiam, juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faulhas em os grandes incêndios sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demônios destinguiam-se por formas horríveis e ascrosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes e negros.

Esta vista foi um momento, e graças à nossa boa Mãe do Céu; que antes nos tinha prevenido com a promessa de nos levar para o Céu (na primeira aparição) se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor. Em seguida, levantamos os olhos para Nossa Senhora que nos disse com bondade e tristeza: — Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores, para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para a impedir virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a comunhão reparadora nos primeiros sábados.

Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz, se não, espalhará seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja, os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas, por fim o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia, que se converterá, e será concedido ao mundo algum tempo de paz.(7)


J.M.J.   A terceira parte do segredo revelado a 13 de Julho de 1917 na Cova da Iria-Fátima. Escrevo em ato de obediência a Vós Deus meu, que mo mandais por meio de sua Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e da Vossa e minha Santíssima Mãe. 

Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo em a mão esquerda; ao centilar, despedia chamas que parecia iam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro: O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos n’uma luz imensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as pessoas n’um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”.

Vários outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fora de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trêmulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e várias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições.

Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, n’eles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus. Tuy-3-1-1944 ».

A Imagem que chorou em Nova Orleans 
http://fatimaemfoco.blogspot.com

Para visualização do video, primeiro clique no botão play, deixe carregar. Após carregado clique novamente em replay e assista ao video por completo sem interrupções.

Publicação autorizada do site www.cancaonova.com.br para o site - www.mosteiroimaculadaconceicao.org.br - Santuário da Medalha Milagrosa - Uberaba/MG.