DEUS UM SER NECESSÁRIO

Exmo. e Revmo. Sr. Dom Aloísio Roque Oppermann, SCJ

Escreve constantemente e incessantemente com muito amor e dedicação artigos relacionados a vários assuntos para o povo de Deus.

Já escreveu os seguintes livros de estimado valor: "
Respingos de Vida", "O Enviado", "Colóquios e Encontros", "Respingos e Encontros" e seu recente livro "Flashes da Vida de um Bispo".

Dom Aloísio Roque Oppermann, scj - Arcebispo de Uberaba/MG.
e-mail:
domroqueopp@terra.com.br

Reconheço a profundidade de conhecimentos de Física de Stephen Hawkins. Já por muitos anos esse cientista inglês tem chamado a atenção sobre si, pela originalidade de suas intuições. Não sei se ainda faz parte, mas já pertenceu à Academia de Ciências do Vaticano.

Num livro anterior, de notável sabedoria, manifestou seu respeito para com o Criador, e se manifestou, de alguma forma, muito religioso. No último livro, no entanto, deixou na cabeça de seus fãs, sérias dúvidas. Não sobre a existência de Deus, que ele não questionou, mas sobre sua iniciativa na obra da criação. Infelizmente, não tenho o livro, mas apenas resumos. Estes costumam deixar traços das ideias de quem fez o resumo, e desfiguram o original.
 
Mas assim como se lê nas manchetes, o big bang não teria causa, segundo explicação de Hawking. Seria de uma geração espontânea incrível. A força do magnetismo universal – cuja origem não se discute – teria como consequência lógica a grande explosão.

Ora, a sã Filosofia nos ensina que nenhum ser pode agir antes de existir. E tudo quanto existe deve ter um princípio causante. Nada aparece por si. O único Ser não oriundo de outro é Deus. Isso porque Ele é necessário. Por estar fora do tempo, sempre existiu.

A matéria, seguramente não existe mais de 14 bilhões de anos. Mas o Pai Criador precisa atuar, ter uma iniciativa, para o cosmos ser explicável. Foi um ato de sua vontade. Ele não precisou “acender nenhum pavio” para provocar a explosão inicial.

No universo Ele não age diretamente, mas estabeleceu as leis, através das quais tudo deve funcionar. Ademais, o que a ciência não conseguiu até hoje vislumbrar, e pelas intuições da fé o sabemos, é que a criação é um ato de amor, e não obra do acaso.

Além do mais, esse ato de amor é tão minucioso, que cada ser existente tem um espaço na mente divina. Especialmente o ser humano, “sua imagem e semelhança” (Gen 1,26), o ponto alto do cosmos. Em Cristo,  o homem perfeito,  o “homo sapiens” detém um afeto especial no Coração de Deus. “Que é o homem, para dele cuidardes com tanto carinho?”  (Sl 8, 5).

Publicação autorizada para o sitewww.mosteiroimaculadaconceicao.org.br
Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa - Uberaba/MG