BEATIFICAÇÃO

                                                 Dom Benedicto de Ulhoa Vieira
                            Arcebispo Emérito da Arquidiocese de Uberaba/MG.
                          Membro da Academia de Letras do Triângulo Mineiro

Neste mês de maio, que a piedade cristã dedica à Mãe de Deus, temos duas comemorações muito especiais: a primeira, a beatificação solene em Roma de João Paulo II, por Bento XVI, dia 1º de maio; a segunda, que muito nos toca, a beatificação da Irmã Dulce, que o Cardeal Dom Geraldo Magela presidirá por delegação do Papa em Salvador, Bahia, também neste mês de maio.
 
A rapidez do processo de João Paulo II se deve ao fato de o prazo de cinco anos após a morte para o início do processo, ter sido excepcionalmente dispensado no caso do falecido Papa. Por isto o processo correu rapidamente. As outras rigorosas normas do processo foram observadas, sem privilégio.
 
O milagre exigido para a beatificação de João Paulo II foi a cura instantânea da Irmã Marie Simon-Pierre Norman, do mal de Parkinson, a mesma doença que afetava João Paulo II.
 
As religiosas da Congregação das Pequenas Irmãs das Maternidades Católicas começaram a invocar o Papa João Paulo II, pedindo a cura da Irmã Marie, que sofria da rigidez nas articulações e muita dor, a ponto de ter ela pedido licença da Superiora para deixar seu trabalho de enfermeira no hospital.
 
Foi aí que a Superiora sugeriu à Irmã Marie que confiasse na intercessão de João Paulo II, ao qual a Congregação já vinha suplicando e em cuja intercessão muito confiava.
 
No dia 2 de junho a religiosa oprimida pelas dores queixou-se à superiora, que lhe repetiu o convite para confiar na intercessão do falecido papa, a quem as Irmãs vinham rezando. A noite foi tranqüila. No dia seguinte, dia 3 de junho, festa do coração de Jesus, Irmã Marie se levanta sem as dores e sem a rigidez nas articulações. O médico verifica a cura da doente. Foi este o milagre aceito para a beatificação de João Paulo. A Irmã beneficiada pela intercessão do Papa confessa que a cura do Parkinson a fez crescer na vida religiosa e sobretudo no fervor eucarístico.
 
Pessoalmente possuo as fotos de ter concelebrado com João Paulo na sua Capela particular e, após a Missa, ter recebido de suas mãos uma cruz peitoral de bispo, como presente pelo meu jubileu áureo do sacerdócio.
 
João Paulo II, lá de perto de Deus, nos há de proteger e abençoar nesta ocasião da sua beatificação, que é o reconhecimento oficial da Igreja da sua vida de amor a Deus e de dedicação à Igreja.

Oração

Ó Trindade Santa, nós Vos agradecemos  por ter dado à Igreja o Beato João Paulo II e por ter feito resplandecer nele a ternura da vossa Paternidade, a glória da cruz de Cristo e o esplendor do Espírito de amor.

Confiando totalmente na vossa infinita misericórdia e na materna intercessão de Maria, ele foi para nós uma imagem viva de Jesus Bom Pastor, indicando-nos a santidade como a mais alta medida da vida cristã ordinária, caminho para alcançar a comunhão eterna Convosco. Segundo a Vossa vontade, concedei-nos, por sua intercessão, a graça que imploramos, na esperança de que ele seja logo inscrito no
número dos vossos santos. Amém.

Com a aprovação eclesiástica
AGOSTINO CARD. VALLINI
Vigário Geral de Sua Santidade para a Diocese de Roma
Comunicar as graças recebidas a:
Postulazione della Causa di Canonizzazione
del Beato Giovanni Paolo II
Piazza S. Giovanni in Laterano, 6/a – 00184 Roma

Publicação autorizada para o site - www.mosteiroimaculadaconceicao.org.br
Santuário de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa - Uberaba/MG