COMO SURGIU O CULTO DE SANTA BEATRIZ DA SILVA EM UBERABA

O culto de Santa Beatriz da Silva em Uberaba teve princípios tão simples e modestos, como todas as obras de Deus.
 
Até janeiro de 1963, ninguém em Uberaba se ocupava da Santa Beatriz, embora sua imagem estivesse exposta na igreja das Monjas Concepcionistas desde o ano de 1949, data em que as referidas Monjas se instalaram nesta cidade.
 
É notório que muitas pessoas sentiam-se atraídas pela beleza daquela imagem cuja fronte está maravilhosamente adornada por uma estrela. E muitos a invocavam por Nossa Senhora e outros a tinham por Santa Teresinha. Finalmente, para por termo aos equívocos, colocou-se aos pés da imagem uma placa com a inscrição: “Beata Beatriz”.
 
Chegou finalmente o dia em que Deus se dignou patentear aos nossos olhos a santidade de sua serva Beatriz. Dispersaram-se, por assim dizer, as densas e espessas trevas do esquecimento e da obscuridade, que empanavam o brilho daquele grande luminar oculto no firmamento da Igreja, há mais de quatro séculos.
 
Era a tarde de 30 de janeiro de 1963, quando uma senhora aflita telefonou para o Mosteiro Concepcionista de Uberaba pedindo orações por sua nora, que desde o dia anterior estava passando mal para dar à luz e que o médico já desanimado havia decidido submetê-la a uma cesariana. Naquele momento, a Irmã (Ir. Maria Antônia de Alencar, OIC – nota da narradora) foi inspirada a confiar o caso à Bem-Aventurada Madre Beatriz e meia hora após, recebia um comunicado que a parturiente havia dado à luz uma menina que recebera o nome de Beatriz.
 
Pelo mês de março, um outro favor é concedido a uma parturiente que em ação de graças pôs na filhinha o nome de Beatriz.
 
De 24 a 30 de abril, duas parturientes foram salvas por Madre Beatriz. E a fama de que a Fundadora das Monjas Concepcionistas protegia as parturientes propagou-se rapidamente na cidade.
 
Nos princípios de maio, novo prodígio se renova em Uberaba ainda em favor de parturientes. Uma senhora que há vários dias sofria com um parto laborioso e difícil, tendo sido colocada sob a proteção da Bem-Aventurada Madre Beatriz pelas10 horas da manhã, às 11h45 deu à luz seu filho, com grande admiração dos médicos.
 
Nos meses de junho e julho, quatro graças extraordinárias e quase instantâneas, foram concedidas em favor de pessoas aflitas, por intercessão da Bem-Aventurada Madre Beatriz.
 
Recolhidas as primeiras graças, foram publicadas no Correio Católico, nos primeiros dias de agosto, com um alusivo às virtudes da Bem-Aventurada Madre Beatriz e o anúncio de sua Festa, (na época) no dia 18 de agosto. E uma vez conhecida, começou a ser invocada e as graças foram sucedendo-se umas às outras de maneira prodigiosa. E se mais graças ainda não foram concedidas é provavelmente porque não foram pedidas. Deus em sua infinita bondade parece comprazer-se em glorificar sua serva Beatriz, não recusando nenhum favor a quem lhe pede por sua intercessão.
 
E após um ano de silencioso e modesto trabalho de propaganda, as Monjas Concepcionistas de Uberaba conseguiram recolher quase duas centenas de graças importantíssimas e mais de cinqüenta Missas que as pessoas agraciadas mandaram celebrar pela Canonização da Bem-Aventurada Madre Beatriz.
 
E a devoção à Santa Beatriz até os dias de hoje vem atraindo uma chuva incessante de graças para os devotos desta gloriosa Santa.
 
Ir. Maria Antônia de Alencar, OIC
 
O Mosteiro da Imaculada Conceição da Divina Providência e de São José em Uberaba/MG e a IGREJA CONVENTUAL DESTE MOSTEIRO É SANTUÁRIO DA MEDALHA MILAGROSA “adotada a Regra aprovada pelo Papa Júlio II, em 1511, onde as religiosas são consagradas a honrar o mistério da Imaculada Conceição de Maria Santíssima, sendo por isso, chamadas concepcionistas”, breve histórico.